Facebook GxpTwitter GxpFeeds GxpGuaxupé, 20 de Outubro de 2014

Escolas estaduais de Guaxupé estão paralisadas; professores aderiram à greve


E.jpg

Escola Estadual Dona Queridinha Bias Fortes


Duas representantes dos professores públicos estaduais compareceram à Rádio Comunitária na manhã de ontem para confirmar a paralisação das escolas da rede em Guaxupé. Ana Maria Silveira Tauil, representando o ‘Polivalente’, e Valda Granjeiro, do ‘Ginásio’, disseram que os professores locais aderiram à greve estadual para mostrar que também estão insatisfeitos com a política educacional aplicada pelo governador Aécio Neves. Elas demonstram indignação principalmente com o volume dos gastos do governo com a publicidade na televisão, maquiando a educação no estado.


A paralisação simbólica, que na cidade, em princípio, será apenas nesta terça-feira (16), deixa sem aula os alunos das escolas Dr. Benedito Leite Ribeiro (Ginásio), Dona Queridinha Bias Fortes (foto), Nossa Senhora Aparecida, Major Washington Ferreira de Toledo, Dr. André Cortez Granero (Polivalente) e Major Luiz Zerbine.


O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) informou que hoje estão sendo iniciadas as atividades da campanha salarial dos servidores públicos municipais em todo o país. O sindicato ainda explicou que todos os servidores foram convocados, mas não dá para prever sua abrangência, pois depende de cada um aderir ou não.


Em Minas, será realizada uma assembleia com a presença de 300 lideranças de todas as regiões do estado. Segundo o Sind-UTE, os trabalhadores irão se dirigir para a Cidade Administrativa, na região norte da capital, para uma assembleia geral e manifestação com outros servidores públicos do estado. A data, o ‘Dia Nacional de Luta pela Implementação do Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN)’, será marcada por uma paralisação em todo o país, conforme o sindicato.


O Sind-UTE informou também que o piso salarial do professor com nível médio de escolaridade em Minas é de R$ 336. Para o professor com graduação, o valor sobe para R$ 500. Os setores administrativos das instituições de ensino também têm pisos salariais inferiores ao salário mínimo.


Fonte dos dados: Estado de Minas


Tags: , , ,